Auxílio do Bem é prorrogado e valor será reajustado no Acre

Reajuste no Auxílio do Bem para famílias em unidades de acolhimento vai fazer valor ser igualado. 18 mil famílias de todo o estado do Acre recebem o benefício do governo estadual durante a pandemia.

Auxílio do Bem é prorrogado e valor será reajustado no Acre
Auxílio do Bem é prorrogado e valor será reajustado no Acre (Imagem/Reprodução: AC 24 Horas)

O Auxílio do Bem teve aprovação da Assembleia Legislativa do Acre em abril de 2021.

E tem função de oferecer às famílias do estado uma ajuda durante a pandemia, pois, muitas delas perderam ou tiveram redução nas suas rendas.

Mais de R$ 9 milhões já foram investidos no programa que é coordenado pela Secretaria de Assistência Social dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres (SEASDHM).

18 mil famílias carentes têm acesso ao cartão do benefício, que é aceito em diversos comércios locais.

No entanto, para receber ele é necessário não fazer parte de outros programas assistenciais, como o Bolsa Família.

Além disso, a renda familiar por pessoa deve ser de no máximo R$ 178 e eles devem estar inscritos no CadÚnico.

Leia mais: Começa nesta quarta (18) pagamento da prorrogação Auxílio Emergencial

Aumento do valor do Auxílio do Bem

Com a publicação do Diário Oficial do Estado do Acre da última terça-feira, 17, houve um reajuste no valor, mas, apenas para as famílias que moram nas casas de acolhimento.

Nesse sentindo, essas famílias passam a receber o mesmo valor que as demais, que é R$ 150.

Além disso, o governo decidiu prorrogar o pagamento até o final do ano.

“O benefício é feito para dois públicos que são as famílias e o segundo para pessoas das unidades assistenciais de acolhimento. Para o primeiro público o valor é de R$ 150 e permanece.

O que acontece com o decreto é que agora terá continuidade até o final do ano, porque de acordo com a lei eram só três parcelas. E o segundo público recebia o valor de R$ 115 e, agora, subiu por morador de unidade de acolhimento“, explicou o diretor de gestão da Seasdhm, André Crespo,.

A identificação dessas famílias é responsabilidade de cada município, 15 deles já conseguiram mapear todas.

Continue acompanhando O Norte e fique bem informado.

Jamille Pereira Novaes é graduada em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), pós-graduada em Gestão da Educação pelo Centro Universitário Maurício de Nassau (UNINASSAU). Como professora de Língua Portuguesa, já atuou no ensino fundamental I e II. Atualmente, trabalha como professora de Língua Portuguesa no ensino técnico e redatora do Jornal O Norte.