A partir de quinta (29), onda de frio deve provocar temperatura de 8°C no Amazonas

A partir de quinta (29), onda de frio deve provocar temperatura de 8°C no Amazonas. O fenômeno se dá pelas mudanças climáticas que começam a dar sinais em todo o globo. O problema é estudado por especialistas que apontam causa no aquecimento global!

A partir de quinta (29), onda de frio deve provocar temperatura de 8°C no Amazonas
A partir de quinta (29), onda de frio deve provocar temperatura de 8°C no Amazonas (Foto: Reprodução Google)

Em razão de uma frente fria, a região norte do Brasil pode enfrentar uma onda de frio que deve provocar uma queda na temperatura normal. Cientistas apontam que na próxima quinta-feira (29), o estado do Amazonas alcance 8ºC em algumas regiões. 

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) especula que as temperaturas mais baixas possam ficar entre quinta-feira (29) e sábado (31). Espera-se que a onda fria atinja entre 6ºC e 8ºC, o que é uma temperatura atípica para a região. 

A Defesa Civil do Amazonas segue tomando as providências e alerta moradores das regiões que devem ser mais afetadas como Juruá, Purus, Madeira, Alto Solimões, Médio Solimões, Baixo Solimões e Rio Negro.

Além da região Norte, os estados do Sul do país já estão enfrentando uma forte onda de frio, em Santa Catarina o governo e as prefeituras já se organizam para atender a população em situação de vulnerabilidade nas ruas. 

Meteorologistas apontam que é possível sentir a massa de frio também nos estados do norte e nordeste. Há possibilidade de recorde de baixas temperaturas na maioria das regiões do país, e também espera-se a chegada de neve em algumas regiões.

Leia também: Se encerra nesta quarta (28) as inscrições para o concurso Banco do Brasil

Sinais emergentes de mudanças climáticas

Apesar da contradição pelo Aquecimento Global, cientistas afirmam que frentes frias devem começar a ser comuns no território brasileiro. Esse fenômeno é explicado pelo chamado efeito estufa, que se dá pela quantidade de gases na atmosfera do planeta. 

O desmatamento e queima de combustíveis fósseis como petróleo e carvão são os principais motivos da degradação acelerada do planeta. Os gases impedem a dissolução do calor dos raios solares que são direcionados para o planeta, o que causa altas temperaturas. 

Contudo, as mudanças climáticas não são uma novidade. Desde a primeira fase da era industrial, a temperatura do globo subiu cerca de 1,2ºC e a tendência é que os números continuem subindo se os governos e organizações ao redor do mundo não se mobilizarem para diminuir os impactos negativos no planeta. 

O climatologista Francisco Eliseu Aquino, afirma que existe uma conexão entre os ventos do sul do Brasil e da Península Antártica. Ele continua dizendo que os limiares mais perigosos possíveis ainda estão por vir, entre 2030 e 2050. 

Caminhamos para um cenário de estiagens mais longas e secas no Brasil, com o desmatamento e as queimadas intensificando esses processos. (…) O que a comunidade científica entende hoje é que com certeza vamos ultrapassar os 1,5 ou 2 graus.” afirma ele.

Larissa Luna é graduanda em Psicologia pela Faculdade Frassinetti do Recife (FAFIRE) e graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Como universitária, estuda analises de pesquisas feitas a partir de conceitos sociológicos e antropológicos em paralelo com a Psicologia. Atualmente dedica-se a redação do Jornal O Norte.