Benefícios que terão AUMENTO com o anúncio do novo salário mínimo 2021

O salário mínimo 2021 passará por uma nova revisão na estimativa do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), sendo o responsável por definir os reajustes do salário mínimo do ano seguinte. O Governo Federal decidiu que o aumento do próximo ano ainda precisava ser revisto.

Benefícios que terão AUMENTO com o anúncio do novo salário mínimo 2021
Benefícios que terão AUMENTO com o anúncio do novo salário mínimo 2021 (Imagem: Reprodução O Globo)

Salário Mínimo 2021

O salário mínimo do ano que vem estava previsto para R$ 1.067, com o primeiro pagamento em fevereiro. Esse aumento seria de R$ 22 comparado com o salário mínimo deste ano que está em R$ 1.045.

Em abril deste ano, foi proposto o valor de R$ 1.079, ou seja, R$ 12 a mais do aumento que ainda está sendo definido. Essa queda de R$ 12 seria pela inflação de 2020, justificativa do Governo Federal, isto é, o salário mínimo vai ter um reajuste menor.

Também no mês de abril, o governo previa que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teria uma alta de 3,27% neste ano, no entanto, o valor caiu para 2,09% no mês de julho. Como a Constituição determina, o piso nacional precisa ser corrigido pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior.

Baseando no comportamento da inflação, o salário mínimo ainda pode ser alterado. Segundo as informações do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo serve de referência para 49 milhões de trabalhadores no Brasil.

Leia mais: Aposentadoria INSS 2021: Benefício pode ser prejudicado com a pandemia, diz estudo

Benefícios alterados

Com o aumento do salário mínimo de 2021 de R$ 1.045 para R$ 1.067, alguns benefícios sofrerão alterações, como: como BPC, aposentadoria, pensão por morte, PIS/PASEP, seguro desemprego,

O novo salário mínimo interfere, por exemplo, no valor de benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), como aposentadorias e pensões. Com isso, estima-se que cerca de 35 milhões de beneficiários poderão ser contemplados com a mudança. O seguro-desemprego, PIS/Pasep e o Benefício de Prestação Continuada (BPC) também serão reajustados. No entanto, vale ressaltar que o valor do piso nacional ainda pode ser alterado até o fim do ano.

Essa alteração acontece porque, as empresas privadas e o governo federal, usam o valor do salário mínimo como base para pagamento desses benefícios.

Mariana Castro é formada em Pedagogia pela Universidade Brás Cubas em Mogi das Cruzes – SP. Atualmente trabalha como professora na rede privada de ensino e dedica-se a redação do Jornal O Norte.