Datafolha mostra que maioria dos beneficiários está desamparada sem auxílio emergencial

Uma pesquisa realizada pelo Datafolha constatou que 69% dos brasileiros que receberam o auxílio emergencial estão sem renda com o fim do programa. A parcela da população mais afetada pela pandemia não encontrou outra fonte de renda para substituir o benefício.

Datafolha mostra que maioria dos beneficiários está desamparada sem auxílio emergencial
Datafolha mostra que maioria dos beneficiários está desamparada sem auxílio emergencial. (Imagem: Marcello Casal Jr/ Ag. Brasil)

O auxílio foi criado em 2020 para amenizar o impacto econômico causado pela pandemia.

Os pagamentos foram encerrados em dezembro, com 69 milhões de brasileiros cadastrados. A parcela corresponde a desempregados, trabalhadores informais, autônomos e beneficiários do Bolsa Família.

Resultados da Datafolha

O levantamento apontou que 69% dos beneficiários não encontraram outra fonte de renda, enquanto 39% conseguiram uma alternativa para substituir o benefício. A pesquisa também questionou se os entrevistados pediram o auxílio. Do total, 40% respondeu que sim e 60%, não.

Entre os entrevistados que solicitaram o auxílio, 1% receberam apenas uma parcela; 2% receberam duas parcelas; 6% receberam três parcelas; 8% receberam quatro parcelas; 19% receberam cinco parcelas; 12% receberam seis parcelas; 8% receberam sete parcelas e 16% receberam oito parcelas.

Leia mais: Auxílio emergencial: Governo inicia cobrança de quem recebeu benefício de forma INDEVIDA

Do total, 18% disse não ter recebido nenhuma parcela e 10% disseram não saber. Inicialmente, o programa teria cinco parcelas, mas teve a aprovação de mais quatro pagamentos de extensão, o que explica números tão divergentes.

A pesquisa também questionou aos entrevistados se economizaram dinheiro para quando o auxílio acabasse. 38% responderam que sim e 62% que não. Além disso, 89% já pararam de receber as parcelas e 11% ainda não.

Os últimos pagamentos foram liberados pela Caixa na sexta-feira (22). De acordo com o Ministério da Cidadania, as parcelas são resultantes de contestação administrativa e extrajudicial e de decisões judiciais. Também continua em vigor o calendário de liberação de saques em dinheiro.

A pesquisa Datafolha entrevistou 2.030 pessoas por telefone entre os dias 20 e 21 de janeiro de 2021. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Por enquanto, uma possível prorrogação do auxílio para 2021 vem sendo discutida nos bastidores do governo, sem nada concreto.

Segundo a equipe econômica, não há espaço orçamentário para sustentar novos pagamentos do auxílio emergencial ou de outro programa assistencial.

Mônica Chagas Ferreira é mestranda em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e formada em Jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Como pesquisadora, estuda Análise do Discurso na perspectiva foucaultiana, contemplando relações de saber, poder e política presentes na mídia. Enquanto jornalista, já atuou em rádios e veículos impressos. Atualmente trabalha como assessora de comunicação e redatora do Jornal O Norte.