Economia do Brasil deve ‘encolher’ mais de 5%; veja o que isso significa

Segundo o FMI, a economia do Brasil deve diminuir em 5,8% e as estimativas para o desemprego aumentaram. A pesquisa é de ordem global e prevê o Produto Interno Bruto (PIB) de todos os países em 2020. O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou na última terça-feira (13) a revisão para as previsões da economia mundial. No mês de junho, a estimativa era de 4,9%, porém foi comprovado que houve um tombo de 4,4%.

Economia do Brasil deve 'encolher' mais de 5%; veja o que isso significa
Economia do Brasil deve ‘encolher’ mais de 5%; veja o que isso significa (Foto: Reprodução Google)

No relatório “World Economic Outlook”, foi divulgado também que houve um melhora nas estimativas para a economia brasileira, em junho era previsto que a economia caísse em 9,1%, agora o FMI prevê um encolhimento de 5,8% no PIB brasileiro.

“Todas as regiões de mercados emergentes e de economias em desenvolvimento devem contrair este ano, incluindo notavelmente a Ásia, onde grandes economias, como Índia e Indonésia, continuam tentando controlar a pandemia“, informado pelo relatório.

O FMI, divulga ainda as previsões para o ano de 2021; em expansão global é estimado que o crescimento seja de 5,2% e no Brasil o aumento deve ser de 2,8%. De junho pra cá os números mudaram, antes era previsto 5,4% e 3,6%, respectivamente.

Leia mais: Ministério da Economia vai contratar cerca de 100 profissionais temporários

Economia e aumento do desemprego

Para o Brasil, é previsto que até o final deste ano 13,4% suba em desemprego, e para 2021 a previsão é de 14,1%

Apesar de alguns pontos positivos no PIB brasileiro com uma estimativa menor do que o esperado, ainda não é motivo para celebração.

Assim como na maioria dos países emergentes, a taxa de desemprego tem previsão de aumento até o ano que vem. Isso resulta no aumento dos diversos níveis de pobreza e de desigualdade social nos estados.

“A pandemia vai reverter o progresso feito desde a década de 1990 na redução da pobreza global. Pessoas que dependem do trabalho assalariado diário e estão fora do mercado formal enfrentaram perdas repentinas de receita quando as restrições de mobilidade foram impostas” afirma o Fundo.

Ainda no Brasil, o órgão destacou as atividades industriais em recuperação nos meses de julho e agosto , em relação ao início da pandemia, mas considerou que o setor de serviços industriais ainda enfrenta dificuldades para se recuperar, em razão dos altos níveis de profissionais infectados.

Larissa Luna é graduanda em Psicologia pela Faculdade Frassinetti do Recife (FAFIRE) e graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Como universitária, estuda analises de pesquisas feitas a partir de conceitos sociológicos e antropológicos em paralelo com a Psicologia. Atualmente dedica-se a redação do Jornal O Norte.