Obra completa de Tavares Bastos é disponibilizada pela Assembleia Legislativa

Há muito destaco a importância do alagoano Aureliano Cândido Tavares Bastos nesse espaço. Tavares Bastos foi – no século XIX – um dos mais importantes pensadores, no campo político, do país.
Pioneiro no abolicionismo, o autor ocupou um espaço importante no Legislativo nacional, trazendo reflexões sobre o Brasil que abriram – dentre outras pautas – a discussão sobre o federalismo, a integração nacional, a educação universal e o foco nas potencialidades regionais.
Crítico da centralização do poder e defensor de teses do liberalismo clássico, Tavares Bastos pensava um país que respeitasse os aspectos regionais, as tradições e que soubesse utilizar o seu potencial para alcançar o desenvolvimento econômico e social, daí a defesa da educação universal e do agronegócio (quando essa palavra sequer era utilizada).
Nesse sentido, foi profético, por exemplo, ao analisar o desenvolvimento dos Estados Unidos quando esse estava longe de ser o que é hoje.
Bastos teve uma vida curta, mas de imensa produtividade intelectual. Entre seus escritos, há o destaque para a obra A Província – que foi reeditada pelo parlamento estadual na época em que o atual conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Alagoas, Fernando Toledo, era o presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas – que é uma defesa aberta do federalismo.
As ideias de Bastos foram estudadas por diversos intelectuais brasileiros. Dentre eles, um de seus críticos: João Camilo de Oliveira Torres. Todavia, até mesmo os críticos reconheciam a grandeza e a influência das ideias do alagoano, que muito contribuíram para o pensamento de Joaquim Nabuco ou para a tese do “estamento burocrático” de Raymundo Faoro, autor de Os Donos do Poder.
Resgatar a memória de Tavares Bastos e suas ideias não é – evidentemente – tentar aplicá-las ao atual contexto do país sem qualquer tipo de reflexão, mas – ao contrário – compreender a essência do que o alagoano coloca para tirar as lições necessárias em tempos em que é urgente a descentralização do país, no momento em que se deve discutir uma reforma profunda em nosso pacto federativo, em que se discute a visão oligárquica presente em muitas regiões da nação, incluindo Alagoas.
Obviamente, há uma parte do pensamento de Bastos que soará datada. Mas, há muito – em sua obra – daquilo que o filósofo Ortega y Gasset classificava como o que não se banha no rio do tempo.
Tavares Bastos foi um homem na dianteira de seu tempo. Envolveu-se – por exemplo – com a Questão Inglesa, dentre outras defesas apaixonadas das liberdades individuais.
Nesse sentido, o parlamento estadual alagoano – que é alvo de muitas críticas justíssimas pelo que nossos deputados estaduais vivem a fazer – merece os elogios pela iniciativa. O sítio eletrônico da Casa só poderia – em minha humilde visão – dar mais destaque a um resgate histórico tão importante.
Ao leitor, aconselho que inicie a leitura – caso ainda não conheça o pensamento de Bastos – pela biografia (também disponibilizada no site da Assembleia Legislativa) escrita por Paulo de Castro Silveira. O livro, em que pese ter uma visão positivista, destaca bem as principais etapas da vida do ilustre alagoano e faz justiça às ideias que encontraremos em Cartas do Solitário, Males do Presente e Esperança do Futuro, A Província e o Vale do Amazonas.
A leitura de Tavares Bastos é fundamental para compreender significativa parte do pensamento político brasileiro antes das ideias revolucionárias tomarem conta desse país.

Fonte: Cada Minuto