Programa de aceleração para Organizações da Sociedade Civil abre vagas; empresas do Tocantins podem participar

O Instituto EDP, organização que gere os investimentos socioambientais do Grupo no Brasil, empresa que controla a Investco e Enerpeixe no Tocantins, e a Phomenta, instituição de impacto social, lançam o “Reforça – Programa de Aceleração e Transformação Social para Retomada”, voltado para Organizações da Sociedade Civil (OSC).A iniciativa vai selecionar 20 organizações do País, entre elas, empresas do Tocantins, para auxiliar nas ações de transformação social. As inscrições estão abertas de 2 a 29/07 na plataforma do programa (https://www.portaldoimpacto.com/programa-reforca). As instituições escolhidas serão capacitadas em temáticas como: gestão, captação de recursos, inovação e liderança. O programa de aceleração ocorrerá durante sete meses de maneira completamente on-line com envio de materiais didáticos às instituições.Os módulos incluem diagnóstico de aceleração, maturidade organizacional e Avaliação final (ICFO) das organizações participantes, acompanhamento e relatórios de evolução. As instituições passarão ainda por avaliação jurídica, financeira, de maturidade organizacional, além de introduzir em boas práticas de gestão e transparência. Ao final do programa, aquelas que atingirem 80% da pontuação mínima, receberão ainda o selo da Phomenta.“Percebemos a força das organizações sociais de maneira mais forte com a pandemia do coronavírus. Entretanto a necessidade dessas instituições é permanente e notamos que, muitas vezes, pode ser reduzida com melhorias em áreas como gestão e captação de recursos. Lançamos o Reforça a fim de compartilhar conhecimento, proporcionando assim condições reais para que as participantes avancem em suas ações”, destaca Luís Gouveia, diretor do Instituto EDP.Requisitos para participarA avaliação do Reforça levará em consideração aspectos como relevância do impacto, impactos da Covid-19 na organização e engajamento. Podem participar associações, institutos ou fundações que ofereçam atividades gratuitas na área do desenvolvimento social, com contribuição concreta para a comunidade onde está inserida.É preciso ter no mínimo um ano de atuação na área formalizado via CNPJ, estatuto ou ata de constituição. As organizações não devem possuir vínculos institucionais com funcionários, colaboradores e consultores das empresas do Grupo EDP e do Instituto EDP. Além disso, precisam ser no mínimo uma pessoa contratada com dedicação exclusiva à instituição ou voluntários recorrentes, com no mínimo 8 horas de dedicação semanal.

Fonte: Conexão Tocantins