Novo surto de ‘superbactéria’ está sendo monitorado em Manaus AM

Três casos de superbactéria foram registrados na UTI da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon). Os pacientes estão sendo monitorados e seguem sem risco de morte.

superbactéria
Novo surto de ‘superbactéria’ está sendo monitorado em Manaus AM (Imagem/Reprodução: Radar Amazônico)

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas  identificou três casos de superbactéria na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon).

Nesse sentido, no último sábado, as cirurgias eletivas foram suspensas na unidade e diversas medidas foram tomadas.

A Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) informa que está tomando as devidas medidas sanitárias acerca de uma bactéria multirresistente descoberta na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adulto da unidade hospitalar, em três pacientes, os quais estão estáveis, sem risco de morte.

Assim que foi detectada, a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas Dra. Rosemary Costa Filho (FVS-RCP) foi comunicada, afirma a acessória da Fundação.

Superbactéria identificada em Manaus

Segundo a diretora-técnica da FVS-RCP, Tatyana Amorim, essa superbactéria acontece por conta do longo período de internação dos pacientes.

Além disso, fatores como o uso de antimicrobianos, redução das defesas e procedimentos invasivos também podem ocasionar essa bactéria.

Por outro lado, a Klebsiella pneumoniae é resistente a carbapenêmicos, que são os remédios utilizados nos pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Leia mais: Volta às aulas 100% presenciais acontece esta semana no Amazonas

Para controlar o “surto” algumas medidas foram adotadas, por exemplo:

  • Isolamento dos três pacientes que foram infectados;
  • Suspensão das cirurgias eletivas, ou seja, aquelas planejadas e que podem ser adiadas;
  • Acompanhamento individualizado por um técnico de enfermagem;
  • Uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) específicos;
  • Uso de antibióticos específicos para combater a infecção.

Todos os procedimentos são para preservar a saúde dos pacientes e da equipe médica e estão de acordo com as recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“A comissão de controle de infecção da unidade acionou a comissão estadual informando todas as medidas de prevenção aplicadas e plano de ação para controle e monitoramento. Os procedimentos de médio porte estão literalmente suspensos na unidade hospitalar ”, afirmou Tatyana Amorim.

Continue acompanhando O Norte e fique bem informado.

Jamille Pereira Novaes é graduada em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), pós-graduada em Gestão da Educação pelo Centro Universitário Maurício de Nassau (UNINASSAU). Como professora de Língua Portuguesa, já atuou no ensino fundamental I e II. Atualmente, trabalha como professora de Língua Portuguesa no ensino técnico e redatora do Jornal O Norte.