Segundo IBGE 44,8% das empresas foram afetadas pela pandemia em julho deste ano

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, o setor de serviços (que compreende, por exemplo, transporte, educação) foi o que mais afetado, como resultado demitiu mais pessoas durante a pandemia.

Segundo IBGE 44,8% das empresas foram afetadas pela pandemia em julho deste ano
Segundo IBGE 44,8% das empresas foram afetadas pela pandemia em julho deste ano. (Fonte: Google)

Pesquisa recente realizada pelo instituto mostra que a pandemia afetou diretamente inúmeras empresas, dos diversos setores, no Brasil. No entanto, o índice é menor que o divulgado anteriormente . Então, em termos numéricos, 4 em cada 10 empresas, independente do porte empresarial sofreu prejuízos com a chegada do Covid.

IBGE: Efeito da pandemia nos setores

Os setores da economia brasileira foram afetados diretamente pela pandemia. Em comparação com outros setores, o de serviços apresentou maior queda percentual.  Com base na pesquisa, os valores divulgados são:

  • Setor de serviços 47,0%
  • No comércio 44,0%
  • O setor industrial 42,9%

Quanto às regiões, o estudo traz dados que demonstram que a região Centro-Oeste foi a que mais sofreu, apresentando um efeito negativo de 51%. O nordeste apresentou uma porcentagem de 32,1% e o norte de 48,1%.

Quanto ao porte da empresa

A empresa de porte pequeno enfrenta várias dificuldades em seu dia a dia de trabalho. Por exemplo:

  • Maior dificuldade em se conseguir crédito;
  • A demora ou até a não transferência para o trabalho remoto/online.

Como resultado disso, 44,9% dos pequenos empresários afirmam que sofreram negativamente os efeitos da pandemia. E, segundos especialistas, apenas 28,2% das empresas relatam uma queda dos serviços quase que nula.

Das 2,814 mi de empresas atuantes no país 27% tiveram efeitos positivos com a pandemia.

Leia mais: Taxistas sofrem com a pandemia e perdem os postos de trabalho em Fortaleza-CE

Enquanto que das de porte intermediário ou médio 39,1% alegaram que foram afetadas. Já as de grande porte somam 39,2% de empresas afetadas. Em contrapartida, 26,1% das empresas dizem que a pandemia as afetou de forma positiva.

Contudo, as empresas alegaram que fizeram uso de algumas medidas para diminuir os efeitos da pandemia, entre elas estão as já conhecidas medidas de higiene, que 80,7% das empresas as aplicou. Outra ação adotada por 22,4% foi a antecipação das férias dos funcionários. Alguns empresários também optaram pelo trabalho domiciliar, o que reduziu, então,  a circulação dos funcionários.

Facebook Comments

Jamille Pereira Novaes é graduada em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), pós-graduada em Gestão da Educação pelo Centro Universitário Maurício de Nassau (UNINASSAU). Como professora de Língua Portuguesa já atuou no ensino fundamental I e II. Atualmente, trabalha com professora de Língua Portuguesa no ensino técnico e redatora do jornal O Norte.