Afinal, os alunos podem ser reprovados durante a pandemia? Veja detalhes!

Devido à pandemia do coronavírus, escolas de todo o país precisaram suspender as aulas presenciais e adaptar as aulas ao formato online; na tentativa de manter a continuidade de ensino. Durante o período, além da dificuldade de aprendizagem, a desigualdade digital se escancarou. E a pergunta que fica, com o período letivo já no último bimestre, é se os alunos poderão ser reprovados ou não em 2020.

Afinal, os alunos podem ser reprovados durante a pandemia? Veja detalhes! (Foto: Google/Reprodução)
Afinal, os alunos podem ser reprovados durante a pandemia? Veja detalhes! (Foto: Google/Reprodução)

De acordo com o portal O Povo, o CNE (Conselho Nacional de Ensino) recomendou há seis meses que as instituições de ensino público e privadas, no Brasil, evitem a reprovação dos estudantes durante esse período de crise sanitária.
Sendo apenas uma recomendação, dependerá de cada instituição seguir ou não o conselho do órgão. Optando por seguir, as escolas poderão realizar a progressão automática; aprovando todos os alunos para o próximo ano.

Problemática da aprovação automática durante a pandemia

Por um lado, aprovar os alunos pelas dificuldades técnicas parece ser algo sensato. Por outro, professores, pais e alunos relataram ao portal O Povo que a decisão implica em aprovar um aluno que não teve aproveitamento de ensino.

A presidente do Conselho Estadual de Educação do Ceará (CEE- CE), Ada Pimentel, disse ao portal que cada instituição precisa elaborar métodos de avaliações junto aos seus representantes, pensando em propostas de de auxílio.

Leia mais: Eleições 2020: Saiba as novas regras das propagandas eleitorais de rádio e TV

O portal informa que uma das propostas analisadas pelo Conselho é o currículo contínuo, método que consiste em fazer com que o aluno encerre o ano letivo mas recupere todo conteúdo que teve dificuldade em aprender no ano seguinte, o que Ada classifica como ação “mais aconselhável” a ser tomada. O portal apurou que algumas instituições no Ceará estão adotando diretrizes para a realização de avaliações mais flexíveis.

Como a Universidade Federal do Ceará UFC), que elaborou um Plano Pedagógico de Emergência (PPE) recomendando avaliações formativas que estejam de acordo com as “características das turmas e dos estudantes”, dando tempo para a resolução das atividades.

Anulação de ano letivo

A pró-reitora da UFC, Ana Paula de Medeiros, disse ao portal que a instituição optou por adotar medidas de inclusão social para não anular o ano.

“Fizemos o maior pacote de inclusão social de todos os tempos, incluindo chips, doação de equipamentos (…) Nós conseguimos suprir essa lacuna da dificuldade do acesso a internet e possibilitamos a formação dos professores, ofertando cursos formativos”, garantiu.


Jornalista graduada pela FAPCOM (Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação). Foi repórter do site MigraMundo e Startupi, atuou na comunicação de ONG e em assessoria de imprensa. Atualmente trabalha como jornalista freelancer e redatora do Jornal O Norte.