Desempenho do Enem é proporcional ao acesso à Internet; explica UFC

Pesquisa realizada pela Universidade Federal do Ceará-UFC mostra que o acesso à internet é proporcional ao desempenho dos alunos no Enem.

Desempenho do Enem é proporcional ao acesso à Internet; explica UFC
Desempenho do Enem é proporcional ao acesso à Internet; explica UFC. (Fonte: Google)

Enem e internet

A pesquisa chamada de Primeiras Análises – o Enem 2019 sob contexto cearense mostra a importância do acesso à internet para um bom desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio. O estudo realizado no estado mostrou que 79.204 estudantes de rede pública prestaram o ENEM em 2019. Contudo, desse número, 35.978 afirmaram que não possuíam acesso à internet.

Nessa mesma pesquisa é possível perceber essa relação de forma mais direta. Isso porque o Ceará tem ao todo 184 munícipios, em 81 deles menos de 50% dos alunos possui acesso. Nesses 81 municípios os estudantes tiraram entre 408 a 498 pontos no ENEM. Ficando, portanto, abaixo das notas de corte de universidades públicas.

Mais alarmante que esses dados é o que acontece em Altaneira e Guaramiranga, onde nenhum aluno afirmou estar conectado à internet.

A maior nota no ENEM no Ceará foi 520,55. E foi registrada em Pereiro, nesse município 87% dos alunos que realizaram a prova afirmaram que têm acesso à internet.

No entanto, nas escolas particulares do estado, 95% do alunado têm acesso.

 Porque essa relação entre ENEM e internet?

A internet é hoje um dos maiores meios de acesso à informação mundial. Com ela é possível, com alguns cliques, acessar noticiais regionais, mas também de quilômetros e até milhas de distância. O que ajuda bastante na parte de atualidade do exame.

É também uma ferramenta de estudo, pois há vários sites que disponibilizam material didático.

Leia mais: ENEM 2020: Este item será obrigatório durante realização do exame

Impactos da falta de acesso

Se antes o acesso à internet era um recurso adicional, hoje ele é o único recurso. Isso porque a pandemia impôs o isolamento social. O que a pesquisa da UFC aponta é que os alunos da rede pública têm menos acesso à internet.

Para Alessandra, uma das pesquisadoras, é importante não só o acesso, mas também o auxílio para lidar com ele, pois na rede é preciso filtrar as informações, coisa que muitos adolescentes não sabem fazer.

Alessandra,afirma o momento de pós pandemia pode ser muito cruel com os alunos de escola pública que estão no 3º ano do ensino médio e logo enfrentarão os exames e vestibulares do país.

 

Amanda Castro é graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP).