Eleições 2020 e os desafios em época de pandemia do novo coronavírus

As eleições 2020 revelam um novo cenário devido a pandemia provocada pelo novo coronavírus. Com a chegada das eleições municipais para a escolha de prefeitos e vereadores nas cidades do Brasil, especialistas traçam adaptações em meio às decisões sanitárias já tomadas com o intuito de prevenir a doença.

Eleições 2020 e os desafios em época de pandemia
Eleições 2020 e os desafios em época de pandemia (Imagem: Google)

Segundo o advogado eleitoral Dyogo Crosara, a remoção da biometria, determinada pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso na semana passada é a medida mais acertada.

O especialista apontou ainda outras alternativas para evitar fraudes durante a identificação do eleitor. O advogado eleitoral destacou que uma dessas maneiras é colocar fotos no caderno eleitoral. Outra opção apontada por Crosara as urnas entre cada voto.

Essa alternativa deve causar uma certa demora durante votação, entretanto garantirá que não haja a contaminação dos eleitores pelo vírus.

Leia mais: TRE do Pará recebe inscrições de voluntários para as eleições 2020

Alteração no calendário

Em razão da pandemia, o calendário das eleições 2020 também sofreu alteração. A data divulgada para o primeiro turno era 4 de outubro.

Contudo, devido a pandemia a data agora será 15 de novembro. Sofreu alteração também a data do segundo turno, antes previsto para 25 de outubro. A nova data divulgada foi 29 de novembro, nas cidade onde for preciso o segundo turno.

Como serão as convenções e propaganda eleitoral das eleições 2020

As convenções e propaganda eleitoral também acontecem de outras formas. As convenções, por exemplo, ocorrem virtualmente entre os dias 31 de agosto e 16 de setembro.

É através delas que os eleitores vão conhecer oficialmente os candidatos às eleições 2020. Algumas pré-candidaturas já foram anunciadas, mas quando se fala em política, tudo pode acontecer.

Já as propagandas eleitorais serão iniciadas em 26 de setembro e vão até 12 de novembro. Nos demais pleitos, a propaganda eleitoral iniciava dia 16 de agosto e seguia até 1º de outubro, mas com o adiamento, o período começa dia 27 de setembro e vai até 12 de novembro.

Atualmente, um Projeto de Lei do deputado Túlio Gadelha (PDT-PE) prevê a proibição de comícios e eventos de campanha que provoquem aglomerações de pessoa, enquanto durar o estado de emergência. O parlamentar revelou que mais do que combater o surto, é necessário evitar o surgimento de novos casos.

Facebook Comments