Eleições: PF usará drones para sobrevoar locais de votação no combate a crimes eleitorais

As eleições municipais deste ano vão contar com o apoio de drones da Polícia Federal (PF) para a fiscalização. O principal objetivo é prevenir e reprimir crimes eleitorais, como boca de urna e transporte irregular de eleitores. A intenção é que os equipamentos sobrevoem as zonas eleitorais nos dias de votação.

Eleições: PF usará drones para sobrevoar locais de votação no combate a crimes eleitorais
Eleições: PF usará drones para sobrevoar locais de votação no combate a crimes eleitorais. (Imagem: Ronaldo Oliveira/ EPTV)

Segundo a PF, mais de 100 drones estão sendo preparados para serem pilotados remotamente e serão alocados em cidades estratégicas de cada estado. O primeiro turno das eleições será no dia 15 de novembro e o segundo turno, em 29 de novembro. O horário de votação será das 7 às 17 horas, seguindo o horário local.

Aprimoramento da segurança nas eleições 2020

Os drones utilizados pela PF têm câmeras com capacidade de zoom para identificar suspeitos, placas de veículos, entregas de santinhos e até situações de compra de votos, com alta nitidez. As imagens serão transmitidas a uma equipe em prontidão para monitorar o pleito em todo o território nacional. Quando uma prática irregular for identificada, equipes vão adotar as medidas cabíveis diante de atividades suspeitas.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) também está disponibilizando canais para denúncia. O Pardal é um aplicativo que permite o envio de denúncias de irregularidades em propaganda eleitoral, por meio do envio de fotos e vídeos. Este ano, a ferramenta também disponibilizará um link específico para denúncias no Ministério Público Eleitoral de cada estado.

Leia mais: Eleições: Pesquisa mostra que inscritos do Bolsa Família custeiam campanhas eleitorais

Nestas eleições, 147.918.483 pessoas estão aptas a votar em 5.569 municípios. Os eleitores do Distrito Federal e de Fernando de Noronha não vão participar do pleito, pois não têm prefeito. Os brasileiros registrados no exterior também não poderão votar, pois só podem exercer o voto em trânsito nas eleições gerais, a cada quatro anos.

Na comparação com a última eleição municipal, de 2016, o estado com maior aumento no eleitorado foi o Amazonas, que subiu 7,88%. O único estado com redução no total de eleitores foi o Tocantins, passando de 1.037.063 para 1.035.289. Em São Paulo, maior colégio eleitoral do país, a alta foi de 2,69%. O número de eleitores é de 8.986.687.

Mônica Chagas Ferreira é mestranda em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e formada em Jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Como pesquisadora, estuda Análise do Discurso na perspectiva foucaultiana, contemplando relações de saber, poder e política presentes na mídia. Enquanto jornalista, já atuou em rádios e veículos impressos. Atualmente trabalha como assessora de comunicação e redatora do Jornal O Norte.