Filho 03 do Presidente é intimado para esclarecimentos sobre atos antidemocráticos

Na última terça-feira, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) prestou depoimento na condição de testemunha para a Polícia Federal. O depoimento foi referente ao inquérito que investiga o patrocínio e o esquema de atos antidemocráticos, com duração de 6hr 3o min, o filho 03 do presidente esclarece sua participação em grupos de WhatsApp e reuniões nas casas de outros investigados.

Filho 03 do Presidente é intimado para esclarecimentos sobre atos antidemocráticos
Filho 03 do Presidente é intimado para esclarecimentos sobre atos antidemocráticos (Imagem: Sérgio Lima/ Poder 360)

A responsável pela investigação é a delegada Denisse Dias Ribeiro, que se locomoveu até o gabinete do deputado para ouvir o depoimento, com duração de 6hr e 30min.

Durante a entrevista, Eduardo Bolsonaro teve que esclarecer se tinha ligação com pessoas que também estão sendo investigadas, como o blogueiro Allan dos Santos.

E também sobre a ligação dele com a organização de atos anti-democraticos como manifestações em favor do fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF) e em defesa de intervenções militares, manifestações ocorridas ao longe deste ano em todo o país.

Foi questionado se ele recebe também recompensas monetárias pela divulgação dos eventos nas redes sociais.

O objetivo da investigação é apurar se existe de fato uma organização que movimenta essas manifestações com intuito de promover a desordem com atos anti-democraticos.

Leia mais: Flávio Bolsonaro, filho 04 do Presidente, nega acusações do MP e diz ser vítima de perseguição política

Outras testemunhas citam o filho do presidente

A Policia Federal acionou também outras testemunhas para o caso, como o líder religioso RR Soares, segundo ele Eduardo Bolsonaro o procurou para saber da possibilidade de alugar a sua rádio em São Paulo

O pastor disse ainda que o filho do presidente não deu detalhes da motivação do aluguel da rádio, e disse ainda que era de interesse de um ‘amigo’.

Um outro blogueiro youtuber  Adilson Nelseu Dini também investigado pela PF, afirmou que Eduardo Bolsonaro participava de reuniões na casa do então Allan da Silva, que também está dentro dos inquéritos da investigação.

Foi divulgado ainda que, todos os envolvidos mantinham um grupo no Whatsapp e teriam recebido mensagens que valorizavam os atos anti-democraticos como afirmações relacionadas a volta da ditadura militar no país.

Larissa Luna é graduanda em Psicologia pela Faculdade Frassinetti do Recife (FAFIRE) e graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Como universitária, estuda analises de pesquisas feitas a partir de conceitos sociológicos e antropológicos em paralelo com a Psicologia. Atualmente dedica-se a redação do Jornal O Norte.