IBGE registra recuperação do comércio e alta de 5,2% no volume de vendas

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) anunciou nessa quinta-feira (10) dados da PMC (Pesquisa Mensal do Comércio), onde aponta para alta das vendas no comércio varejista de 5,2% entre junho e julho.

IBGE registra recuperação do comércio e alta de 5,2% no volume de vendas (Foto: Vinicius Fonseca/Cruzeiro do Sul)
IBGE registra recuperação do comércio e alta de 5,2% no volume de vendas (Foto: Vinicius Fonseca/Cruzeiro do Sul)

O instituto informou que essa é a terceira alta consecutiva do indicador e com melhor resultado para o mês desde que índice começou a ser computado, em 2020, crescendo 8,5% em junho e 13,3% em maio.

Foram três meses seguidos de resultados positivos no ano desde que foram registradas quedas em março e abril por conta da pandemia, com 2,4% e 16,6%, respectivamente.

Leia mais: 13º MENOR em 2020? Veja o motivo para redução do valor

Segundo o IBGE, os números apontam para uma recuperação das perdas com o isolamento social provocado pela doença.

IBGE registra vendas em alta

Os dados da pesquisa também apontaram para alta de vendas no trimestre, com 8,7% na média móvel. Em julho do ano passado, os pontos eram de 5,5% e 0,2% no acumulado de 12 meses.

Apesar dos números positivos de aumento, houve uma queda de -1,8% no ano.

Impulso no varejo

As atividades que mais registraram aumento no volume de vendas foram os livros, jornais, revistas e papelaria (26,1%), tecidos, vestuário e calçados (25,2%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (11,4%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (7,1%), combustíveis e lubrificantes (6,2%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (5,0%) e móveis e eletrodomésticos (4,5%).

Os setores supermercados, alimentos, bebidas e fumo mantiveram-se estável em relação a julho.

Os segmentos de materiais de construção e de veículos e peças, cresceram 7,2%, os de veículos, motos, partes e peças teve alta de 13,2%, já o de material de construção avançou 6,7%.

Cristiano Santos, gerente da pesquisa, afirmou que alguns setores estão acima dos níveis do começo do ano, levando os índices a patamares pré-coronavírus.

“Como o indicador despencou de fevereiro até abril, a base ficou muito baixa e essa recuperação vem trazendo todos os indicadores para os níveis pré-pandemia. Alguns setores estão bem acima dos níveis de fevereiro, como móveis e eletrodomésticos (16,9% acima), hiper e supermercados (8,9%) e artigos farmacêuticos (7,3%), além dos materiais de construção (13,9%), no varejo ampliado”.

Facebook Comments

Jornalista graduada pela FAPCOM (Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação). Foi repórter do site MigraMundo e Startupi, atuou na comunicação de ONG e em assessoria de imprensa. Atualmente trabalha como jornalista freelancer e redatora do Jornal O Norte.