MP no Amapá descobre irregularidades em hospital Mãe Luzia

Maior maternidade do Amapá é alvo de vistoria pela Promotoria de Saúde do estado. Com isso, diversos problemas foram identificados no hospital Mãe Luzia e terão que ser resolvidos imediatamente!

MP no Amapá descobre falta de médicos e superlotação em hospital Mãe Luzia
MP no Amapá descobre falta de médicos e superlotação em hospital Mãe Luzia (Imagem/Reprodução: MP-AP)

Na última sexta-feira, 13, o Ministério Público do Amapá realizou uma vistoria no Hospital da Mulher Mãe Luzia (HMML), a maior maternidade pública do estado, e diversos problemas foram identificados pelos inspetores.

Durante a inspeção, foram encontradas 220 mulheres e cerca de 50 crianças internadas na unidade.

Irregularidades na maior maternidade do Amapá

Veja abaixo os problemas apontados pelos inspetores no relatório final:

  • De 23 leitos de recém-nascido, apenas oito possuem monitores multiparamêtros (equipamento responsável por verificar em tempo real a condição de saúde do paciente);
  • Déficit de médicos, enfermeiros e fisioterapeutas;
  • Duas centrais de ar queimadas na uti neonatal;
  • Estrutura da uti neonatal tem 16 leitos, mas haviam 23 crianças internadas;
  • Local insalubre;
  • Superlotação;
  • Unidade possui 2 leitos de uti obstétrica e deveria ter no mínimo 5.

Leia mais: No Amapá, Projeto do “botão do pânico” é adiado para setembro

A grande questão é que esses não são problemas novos, assim precisam ser resolvidos o quanto antes, afinal, ano após ano eles se agravam cada vez mais.

Aumenta a demanda, mas a quantidade de pessoal, a estrutura física e o número de equipamentos são os mesmos. Isso já virou um problema histórico”, lembrou o promotor da saúde, Wueber Penafort.

Uma reunião acontece hoje, 17, entre os gestores da Secretaria de Estado de Saúde (Sesa) e da Promotoria de Justiça da Saúde para elaboração de um plano de soluções.

Além do Hospital Mãe Luzia, a Maternidade Bem Nascer, na Zona Norte de Macapá, também foi alvo de vistoria.

A obra já está concluída, no entanto, nunca foi usada como maternidade, mas sim como centro de atendimento aos pacientes com Covid-19.

Nela, os promotores encontraram 132 itens, entre berço aquecido, incubadora de transporte, mesa de exame clínico, incubadora e outros materiais que foram levados para um almoxarifado.

O Governo estadual informou que as obras da Maternidade Bem Nascer já foram retomadas e que ela deve ser inaugurada ainda nesse segundo semestre de 2021.

Continue acompanhando O Norte e fique bem informado.

Jamille Pereira Novaes é graduada em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), pós-graduada em Gestão da Educação pelo Centro Universitário Maurício de Nassau (UNINASSAU). Como professora de Língua Portuguesa, já atuou no ensino fundamental I e II. Atualmente, trabalha como professora de Língua Portuguesa no ensino técnico e redatora do Jornal O Norte.