PMA intensifica ações junto à população em situação de rua

É fato que a pandemia da covid-19 vem afetando a vida das pessoas em diversos aspectos. Mas mesmo diante dessa crise sanitária que afeta todo o mundo, a Prefeitura de Aracaju tem intensificado ações junto à população em situação de rua, a qual se encontra em condições de vulnerabilidade social, tanto as pessoas que estão nos abrigos emergenciais mantidos disponibilizados pelo Município, quanto as que escolheram permanecer vivendo nas ruas da cidade.

Para isso, por intermédio da Secretaria Municipal da Saúde(SMS), mantém em funcionamento o Programa de Redução de Danos (PRD) e o Consultório na Rua (CNR), com atuação de equipes multiprofissionais que desenvolvem ações integrais de saúde frente às necessidades dessa população.

Essas equipes realizam suas atividades de forma itinerante e, quando necessário, desenvolvem ações em parceria com as equipes das Unidades Básicas de Saúde do território. Nesse sentido, o PRD, que existe desde 2002, conta atualmente com sete agentes redutores de danos que atuam em todo território da cidade, abordando pessoas que fazem uso de álcool e outras drogas nos seus contextos de uso, assim como também mantém diálogo com as profissionais do sexo.

O PRD faz a distribuição de insumos para prevenção de infecções sexualmente transmissíveis, a exemplo de preservativo feminino, preservativo masculino, gel lubrificante, além de panfletos informativos. A partir dessa entrega é possível o diálogo com esse público para que sejam criadas estratégias de cuidado e de redução de danos.

De acordo com a apoiadora institucional da Rede de Atenção Psicossocial de Aracaju, Mariana Aragão, no momento da pandemia do novo coronavírus, as ações têm se intensificado. “Através de diálogos, rodas de conversa e atividades pensadas para essas pessoas abordadas, os agentes redutores de danos continuam atuando ativamente a fim de evitar que os efeitos da pandemia sejam ainda mais brutais. O projeto está sempre trabalhando em articulação com outros setores da rede de saúde, assim como da rede de Assistência Social do Município. Em muitas ações conjuntas com o Consultório na Rua e os Caps dos territórios, o Projeto Redução de Danos segue fazendo prevenção e educação em saúde”, afirma.

Em atividades elaboradas de acordo com a necessidade do público, o Projeto de Redação de Danos vem contribuindo semanalmente junto aos abrigos emergenciais. Através de atividades lúdicas e educativas, os agentes redutores de danos, junto com os residentes em Saúde Mental da Universidade Federal de Sergipe (UFS), trazem para a discussão temas pertinentes aos cuidados relacionados à covid-19, também temas transversais à vida, como o uso de substâncias, os temas relacionados à atividade sexual protegida e autocuidado.

“Essas equipes vão até os grupos de pessoas, constroem uma vinculação, porque essa vinculação precisa ser construída para que o agente possa se aproximar, conhecer os contextos e necessidades, as questões que essas pessoas estão trazendo”, afirma Mariana.

Consultório da Rua

O Consultório na Rua é um programa do Ministério da Saúde, instituído pela Rede de Atenção Básica, cujo objetivo é dar assistência para as pessoas que vivem em situação de rua. O programa possui uma equipe multiprofissional composta por médico, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos e auxiliar de enfermagem, atualmente contando, também, com os residentes em Saúde Mental da UFS.

Mariana Aragão explica que o Consultório na Rua tem como objetivo ampliar o acesso da população aos serviços ofertados, atuando no acesso à saúde, educação e assistência social, desempenhando suas atividades in loco, de forma itinerante ou desenvolvendo ações compartilhadas e integradas às Unidades Básicas de Saúde, Centros de Atenção Psicossocial, serviços de Urgência e Emergência, serviços da Assistência Social e de outros áreas de atenção, de acordo com a necessidade do usuário.

“Diante da situação atual de pandemia, o Consultório na Rua intensificou sua oferta de cuidado, através de ampliação de equipe e de horário de atendimento, abordando um maior número de pessoas em situação de vulnerabilidade. Com o objetivo de detectar os possíveis sintomas do novo coronavírus e articular os cuidados necessários, tem realizado acompanhamento e mapeamento epidemiológico de usuários nas ruas e nos abrigos emergenciais da Prefeitura”, afirma a coordenadora, ao frisar que quando é identificado algum caso suspeito, é construído o cuidado seja por meio da rede de urgência e emergência, unidade sentinela, seja com o abrigo emergencial de isolamento.

“Foram realizados 225 testes rápidos para covid-19, e não houve nenhum reagente. Um ponto importante é a distribuição de insumos, como álcool em gel, sabão líquido e de máscaras de tecido. As equipes têm atuado no sentido de dar as orientações sobre a covid-19, cuidados e prevenção”, reitera.

Segundo Mariana, tanto o PRD quanto o CNR trabalham respeitando o modo de vida dessas pessoas. “É respeitado o modo de existência, a necessidade e o tempo de cada um. As equipes atuam sempre a partir da construção do vínculo, do tempo de cuidado, da continuidade dos encontros, na construção desses cuidados. A importância desses dois projetos está em oferecer melhores condições de vida a uma população que passa por diversos níveis de vulnerabilidade, ofertado atenção, cuidado e articulação do acesso a outros serviços da saúde, assistência social, educação, dentre outros”, conclui.

Fonte: AAN

Fonte: Correio de Sergipe