Vendas de bebidas alcoólicas crescem durante o isolamento

Desde o início da pandemia e com as medidas de isolamento social, a rotina dos paraenses sofreu mudanças abruptas, que interferiu diretamente em diversos hábitos da população. Um desses é o de frequentar os bares e restaurantes, e o consumo de bebidas alcoólicas. O jeito foi consumir o produto dentro de casa.
“Na verdade, as indústrias de bebidas sofreram queda nas vendas. Mas para os supermercados foi o contrário. As vendas subiram. Agora, elas aumentaram porque os bares fecharam e as pessoas compram para consumir em casa. Não é que se beba mais na pandemia. O consumidor segue sua rotina, mas a disponibilidade de locais diminuiu”, acredita o presidente de Associação Paraense de Supermercados (Aspas), Jorge Portugal.
Pará tem mais 24 novos casos e seis óbitos por Covid-19Portugal diz que a corrida para os supermercados foi algo natural. E os preços também caíram. “Houve um aumento aproximado de 20% nas vendas de bebidas. Por conta disso, como os supermercados já trabalharam com suas margens de venda, alguns puderam baixar preços. Às vezes é uma promoção da marca, e o supermercado repassa ao consumidor. Bebida é que nem o feijão. Na entressafra ele sobe. Na safra desce”.reitera.
DEPÓSITOS
O comerciante Cléo Moreira trabalha há 37 anos no ramo de bebidas, no bairro da Pedreira. Ele calcula que as vendas melhoraram, bem acima da média, ainda que por força de uma pandemia. “Durante esse período as vendas aumentaram. De certo modo, a pandemia contribuiu, porque os bares fecharam e as pessoas recorrem mais a outros meios para consumir em casa”.
Veja imagens de Mosqueiro no primeiro domingo de julhoFérias: veja fotos de Salinas neste domingo (5)A preocupação do comerciante passou a ser outra, além do preço. “Já passamos, às vezes, a ter problema com algumas distribuidoras que encontram dificuldade para repor estoque. As vezes nosso estoque acaba rápido e para repor acabam surgindo algumas dificuldades”, relata.
BARES E RESTAURANTES
l Desde o dia 1º de julho, a Prefeitura de Belém liberou o funcionamento de bares, restaurantes e lanchonetes na capital. Outros setores que já retornaram ou foram liberados, com restrições, estão o comércio informal, os shopping centers, incluindo as praças de alimentação. Os estabelecimentos estavam fechados desde o dia 21 de março. O funcionamento será com 40% da capacidade, e o horário de funcionamento de 11h às 15h e de 19h às 23h.

Fonte: Diário do Pará