Alagoas registra redução de famílias contempladas pelo Seguro Desemprego e Bolsa Família

O número de domicílios com moradores que recebem seguro desemprego caiu de 12 para 7 mil em Alagoas. Os dados comparam os meses de maio e junho, respectivamente e foram levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na Pnad COVID19 Mensal. A queda corresponde a 0,7% do total.

Alagoas registra redução de famílias contempladas pelo Seguro Desemprego e Bolsa Família
Alagoas registra redução de famílias contempladas pelo Seguro Desemprego e Bolsa Família. (Imagem: Google)

A pesquisa do IBGE também detectou queda na quantidade de domicílios com beneficiários do Bolsa Família. Em maio, o programa de transferência de renda federal contemplava 206 mil domicílios, 21,4% do total. Em junho, o índice caiu para 15%, passando para 145 mil beneficiados.

Recebimento do auxílio emergencial em Alagoas

Em contrapartida, o estado está acima da média nacional em relação ao recebimento do auxílio emergencial do governo, relacionado à pandemia do coronavírus. No mês de junho, a Pnad COVID19 Mensal revelou que 60,5% dos 967 domicílios de Alagoas receberam algum tipo de benefício, o que representa uma proporção de seis em cada dez.

Em números absolutos, foram aproximadamente 585 mil domicílios contemplados pelo auxílio emergencial do governo federal, pelo complemento de salário ou qualquer outro benefício.

O crescimento foi de mais 34 mil na comparação com o mês anterior, o que representa um aumento de 3,4 pontos percentuais.

A taxa alagoana ficou acima da média brasileira (43% dos domicílios) e foi a sexta maior do país, atrás apenas dos estados do Amapá (67,3%), Maranhão (66,5%), Pará (63,7%), Amazonas (61,8%) e Piauí (60,8%).

Leia mais: Pagamento da 4ª parcela do auxílio emergencial para quem recebe Bolsa Família começa dia 20.

A pesquisa do IBGE também revelou dados sobre saúde, educação e emprego. Em Alagoas, a taxa de desocupação chegou a 15,3% em junho, sendo uma das mais altas do país, atrás apenas do estado do Amapá, que registrou 17,6%. Nos dados nacionais, o índice é de 12,3% e também contempla o contingente de 19,4 milhões de pessoas que não procuraram trabalho por conta da pandemia ou por falta de oportunidades na localidade.

Ainda em relação aos impactos da pandemia no mercado de trabalho, a pesquisa mostrou que 8,3 milhões de brasileiros precisaram ser afastados de seus postos devido ao distanciamento social. A Pnad COVID19 Mensal completa está disponível no site do IBGE.

Facebook Comments

Mônica Chagas Ferreira é mestranda em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e formada em Jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Como pesquisadora, estuda Análise do Discurso na perspectiva foucaultiana, contemplando relações de saber, poder e política presentes na mídia. Enquanto jornalista, já atuou em rádios e veículos impressos. Atualmente trabalha como assessora de comunicação e redatora do Jornal O Norte.