Auxílio emergencial: Guedes condiciona congelamento de verbas para prorrogação do benefício

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a falar sobre um possível retorno do auxílio emergencial, condicionando a medida ao corte de gastos com o funcionalismo. Segundo ele, os recursos dependem do “aumento automático” para educação, segurança e reajuste de salários.

Auxílio emergencial: Guedes condiciona congelamento de verbas para prorrogação do benefício
Auxílio emergencial: Guedes condiciona congelamento de verbas para prorrogação do benefício. (Imagem: Adriano Machado)

Ao lado do presidente Jair Bolsonaro, nesta terça-feira (26), o ministro argumentou que gastos fixos e indexados no orçamento impedem que o governo retorne com a ação social. Na ocasião, ele criticou os defensores do impeachment e disse que o movimento é uma “sabotagem” à democracia.

Parlamentares defendem retorno do auxílio emergencial

No Congresso, políticos de diferentes frentes defendem a volta do auxílio ou a criação de um novo programa assistencial durante a pandemia. O benefício foi criado em abril de 2020 e estendido até dezembro.

O objetivo era minimizar o impacto econômico provocado pela pandemia de Covid-19.

O senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), candidato à presidência do Senado já defendeu a prorrogação do auxílio emergencial para atender um “estado de necessidade” no cenário atual.

A senadora e candidata Simone Tebet (MDB-MS), tem a mesma opinião e fala em buscar o respeito ao teto de gastos.

O candidato à presidência da Câmara apoiado pelo governo, Arthur Lira (PP-AL) também defendeu a prorrogação do auxílio. Mas, para ele, o benefício precisa acontecer de uma forma que o mercado possa suportar. O principal entrave para o benefício é o teto de gastos do governo federal.

Leia mais: Bolsa Família: Governo cria NOVA estratégia para cortar custos do programa

Secretários de Fazenda de 18 estados enviaram uma carta ao Congresso, na semana passada, pedindo a adoção de “medidas urgentes” contra a segunda onda de Covid-19 no Brasil. Entre as solicitações está a prorrogação do auxílio emergencial.

A Defensoria Pública da União (DPU) também já pediu à Justiça Federal pela prorrogação para os moradores do Amazonas.

Enquanto isso, Bolsonaro e Guedes seguem negando a possibilidade de volta do auxílio, justificada pelo endividamento do país.

Nesta semana, o ministro Guedes quis tranquilizar as partes e afirmou que “caso o pior aconteça” em relação à pandemia, o governo sabe o que fazer.

 

Mônica Chagas Ferreira é mestranda em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e formada em Jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Como pesquisadora, estuda Análise do Discurso na perspectiva foucaultiana, contemplando relações de saber, poder e política presentes na mídia. Enquanto jornalista, já atuou em rádios e veículos impressos. Atualmente trabalha como assessora de comunicação e redatora do Jornal O Norte.