Auxílio emergencial pode ser prorrogado até março de 2021

O auxílio emergencial poderá ser prorrogado até março de 2021. A medida está sendo estudada pelo Governo Federal, contudo, o benefício, que atualmente é de 600 reais poderá ser reduzido para um valor entre 200 e 300 reais.

Auxílio emergencial pode ser prorrogado até março de 2021
Auxílio emergencial pode ser prorrogado até março de 2021. (Imagem: Google)

A prorrogação do benefício ainda precisa ser votada pelo Congresso e é tratada com cautela pelo Ministério da Economia. O pagamento do benefício é certo até agosto deste ano, porém, a extinção do auxílio pode provocar queda na popularidade do presidente Jair Bolsonaro.

Com isso, estudos estão sendo realizados para possivelmente garantir a continuação do pagamento do benefício. No mês passado, o governo anunciou ainda a criação de um novo programa, o Renda Brasil. O atraso no programa chamado de novo Bolsa Família teria impulsionado essa prorrogação do auxílio emergencial.

Leia mais: Saiu nova parcela do auxílio emergencial; confira calendário

Novo Bolsa Família visa criar marca social para Bolsonaro

Com o novo programa, o Governo Federal pretende criar uma “marca social” para Jair Bolsonaro, assim como o Bolsa Família foi para o Governo Lula, do PT. O programa deve unir o Bolsa Família, salário-família, seguro defeso e abono salarial.

Prorrogação do auxílio emergencial depende de alguns fatores

Para que a prorrogação do auxílio emergencial aconteça, outras questões estão em jogo. A primeira delas é que o pagamento estendido depende do aval do Congresso, visto que a quantia de 600 reais está prevista em lei.

O segundo ponto é que para que os pagamentos sejam realizados até março, o Governo Federal precisaria renovar o decreto de calamidade. A Câmara dos Deputados e o Senado Federal teriam que levar novamente à votação, já que a determinação vence em dezembro.

Outra questão que poderá impedir a prorrogação é a falta de orçamento. Atualmente o Governo diz que não há dinheiro para aplicar no auxílio emergencial. Uma alternativa seria obter a quantia proveniente da emissão de dívida. Isso quer dizer que títulos seriam colocados à venda para investidores, que compram esses títulos aguardando retorno futuramente e lucrar com os juros.

A renovação do auxílio emergencial ainda é incerta, mas estaria gerando um clima de resistência, devido a dificuldades políticas e por causar um certo temor para o próprio Ministério da Economia, liderado por Paulo Guedes.

Facebook Comments