Carnaval 2021 de Salvador foi SUSPENSO ou prorrogado? Entenda a decisão do governo

O carnaval 2021 está temporariamente suspenso na capital baiana. A decisão foi confirmada na sexta-feira (27) pela prefeitura de Salvador e aconteceu em virtude da pandemia do novo coronavírus. Desse modo, as autoridades bateram o martelo e definiram que a festa não acontecerá no início de 2021, em fevereiro. Existe ainda a possibilidade de uma nova data, que só será confirmada após ampla disponibilização da vacina à população.

Carnaval 2021 de Salvador foi SUSPENSO ou prorrogado? Entenda a decisão do governo
Carnaval 2021 de Salvador foi SUSPENSO ou prorrogado? Entenda a decisão do governo (Imagem: Reprodução / Google)

Após entrevista coletiva do até então prefeito ACM Neto, a prefeitura por meio de uma rede social reiterou a informação:

“É oficial: em função da pandemia do coronavírus, não haverá carnaval de salvador em fevereiro. A nova data vai depender da ampla disponibilização da vacina. O calendário da festa será discutido no momento certo.”

Carnaval 2021

O atual prefeito de Salvador reforçou também em rede social o cancelamento do carnaval como medida de segurança e destacou:

“Só poderemos realizar um evento como o carnaval se houver vacina para todas as pessoas. Enquanto não sabemos quando isso será possível, a única afirmação verdadeira é de que não haverá carnaval”.

A festa movimenta a economia do estado e é uma grande oportunidade para muitas pessoas todos os anos. De acordo com dados da Secretaria de Turismo do Estado e da Prefeitura Municipal de Salvador, a festa já movimentou mais de R$ 1 bilhão e gerou de mais de 200 mil empregos temporários.

Leia mais: Companhia aérea oferece vagas de emprego no Norte e Nordeste; saiba como se inscrever

O cancelamento da festa divide opiniões.

“A transferência atende a dois interesses: à vontade de fazer festa, mas, especialmente, à economia da festa. O carnaval afeta desde o nanonegócio, do cara que vai para a rua catar latas de cerveja, até aqueles que trabalham nos camarotes, nos trios, os músicos. Com o adiamento, toda essa indústria cultural vai poder se organizar, com perdas, mas vai fazer o que não foi feito em fevereiro”, disse Segundo Paulo Miguez, participante do projeto Economia Criativa.

Por outro lado, a jornalista e pesquisadora de carnaval, Rita Fernandes, diz que não concorda com a decisão tomada pelas autoridades:

“Não concordo com o adiamento. Entendo a necessidade pelo lado de quem move uma economia forte em relação a isso, como é o caso das escolas de samba. Talvez seja importante por mover uma cadeia produtiva enorme que precisa ser ativada. Mas, uma folia fora da data seria apenas uma expressão”.

O prejuízo citado pelos especialistas vão além do econômico. Também se configura como sendo uma ruptura cultural e histórica do nosso país.

Cobertura e repercussão de assuntos que impactam o bolso de todos os brasileiros. A redação do Jornal O Norte traz diariamente assuntos relevantes de uma forma descomplicada e confiável.