Defensoria recomenda que Araguaína receba em UTI pacientes de Covid-19 regulados pelo Estado

Uma paciente do Norte do Estado precisou ser transferida para o leito de uma Unidade de Tratamento Intensiva (UTI) exclusiva para pacientes com Covid-19 na rede privada de Palmas após não haver mais nenhum leito disponível no Hospital Regional de Araguaína e no Hospital e Maternidade Dom Orione.Diante da situação, o Núcleo Especializado em Defesa da Saúde (Nusa) da Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO) expediu uma recomendação nesta sexta-feira, 3, para que se estabeleça um fluxo imediato de pacientes com o coronavírus entre os hospitais no município.A recomendação é assinada pelo coordenador em substituição do Nusa, defensor público Sandro Ferreira, e requer que os gestores estadual e municipal estabeleçam imediatamente um fluxo que garanta que pacientes com coronavírus internados no HDT possam ser transferidos para o Hospital Municipal de Campanha de Araguaína, caso exista vaga. Por meio do expediente, recomenda-se, ainda, que os leitos de UTI no Hospital Municipal sejam regularmente habilitados o mais rápido possível para ampla oferta na rede estadual.  A projeção é ofertar dez vagas, sendo que no dia 02 de julho já havia leito de UTI com paciente no HMC.  A organização desses leitos contou com apoio da Secretaria Estadual da Saúde, que cedeu equipamentos respiradores para o Município. Contudo, o credenciamento na rede estadual ainda não ocorreu e somente pacientes internados nos leitos clínicos para tratamento intermediário no Hospital Municipal é que poderiam acessar a UTI.

Fonte: Conexão Tocantins