INSS: Órgão adia atendimento e deixa usuários revoltados no Pará

Quem tinha a esperança da retomada do serviço por parte do INSS de Belém ficou sem atendimento. A expectativa era de que o atendimento fosse retomado na última segunda-feira (13), mas na realidade foi adiado para o dia 3 de agosto.

INSS: Órgão adia atendimento e deixa usuários revoltados no Pará
INSS: Órgão adia atendimento e deixa usuários revoltados no Pará. (Imagem: Google)

Os atendimentos presenciais no INSS foram suspensos em março devido a pandemia. Muitas pessoas que necessitam do serviço voltaram pra casa sem resolver a situação. Especialistas apontam que a suspensão das atividades vai causar prejuízos. Serviços como perícia médica, avaliação social e reabilitação social estão prejudicados.

O que dizem os especialistas aos usuários do INSS

Especialistas orientam que quem puder busque um profissional da área para fazer uma consultoria e verificar se falta algum documento ou se a pessoa tem direito ou não ao benefício solicitado.

Isso evita que haja o comparecimento sem necessidade quando o atendimento for retomado e evita também aglomerações. Para mais informações os usuários podem entrar em contato através do telefone 135 ou pelo app Meu INSS.

Leia mais: Donos de barracas de praia no Ceará criticam governo que exclui setor da retomada da economia

O INSS informou através de nota que o adiamento do retorno gradual do atendimento presencial “foi definido pelos dirigentes da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho e do INSS após nova avaliação das informações apresentadas pelo grupo de trabalho responsável pelo plano de ação de reabertura indicar que um número reduzido de agências cumpriria todos os requisitos estabelecidos até a data anteriormente prevista”.

Mesmo após a reabertura, o tempo de funcionamento das agências será parcial, com seis horas contínuas, e o atendimento presencial será restrito exclusivamente:

 

  • aos segurados e beneficiários com prévio agendamento pelos canais remotos (Meu INSS e Central 135);
  • e a serviços que não possam ser realizados por meio dos canais de atendimento remotos, a exemplo da perícia médica, avaliação social, reabilitação profissional, justificação administrativa e cumprimento de exigências.

 

O INSS reforçou ainda que as 1.525 unidades do INSS que não apresentarem condições necessárias para atender os usuários, de forma segura, vão atender em regime de plantão reduzido.

“Essa decisão mostra que os gestores da Previdência Social estão comprometidos com o objetivo de conciliar a segurança sanitária da população e dos servidores com a garantia da proteção social dos segurados e beneficiários”, reforçou o órgão em nota à imprensa.

Facebook Comments