INSS: Valor da contribuição muda em fevereiro; saiba QUANTO você vai pagar

A partir de fevereiro quem recebe uma renda mensal maior que um salário mínimo vai precisar desembolsar mais na hora da contribuição do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social).

INSS 2021: Saiba aqui como aumentar o valor da sua aposentadoria
INSS: Valor da contribuição muda em fevereiro; saiba QUANTO você vai pagar (Imagem: Reprodução Jornal Contábil)

A mudança acontece após a alteração no teto dos benefícios pagos pelo instituto, que passou de R$6.101,06 para R$6.433,57, reflexo do aumento no valor do salário mínimo. 

Leia mais: Renda Pará: Calendário de pagamento do benefício estadual é prorrogado

Como fica a contribuição?

O trabalhador que ganha mais de um salário mínimo deve pagar 7,5% do percentual de contribuição sobre R$ 1.100. 

Por exemplo, aquele contribuinte que ganha até R$ 1.500 pagará 7,5% sobre os R$ 1.100. O valor será de R$ 82,50, mais 9% sobre os R$ 400 que excedem esse valor, sendo R$ 36, e totalizando R$ 118,50 de contribuição. 

Igualmente aqueles trabalhadores que ganham R$ 2.000 e pagarão 7,5% sobre os R$ 1.100 (sendo R$ 82,50), mais 9% sobre os R$ 900 que excedem (R$81), totalizando R$ 163,50 de contribuição mensal. 

Leia mais: Concursos 2021 abertos no Ceará oferecem mais de MIL vagas de emprego

Já os trabalhadores que ganham até um salário mínimo deverão ter um reajuste e pagar menos R$ 0,83 por mês. 

Confira a tabela abaixo

Salário                                            Alíquota

Até um salário mínimo (R$1.100).           7,5%

A partir de R$1.100,01 até R$2.203,45.  9%

A partir de R$2.203,49 até R$3.305,22.   12%

A partir de R$3.305,23 até R$6.433,57.     14%

Reajuste salarial no INSS

A partir de fevereiro, os aposentados e pensionistas também passam a receber o benefício com reajuste. 

A retificação foi de 5,45% para quem ganha acima do salário mínimo, atualmente que é de R$ 1.100.

Para aqueles que tiveram o benefício concedido ao longo do ano passado, a porcentagem do reajuste é diferente para 2021. 

O reajuste acompanha o Índice Nacional de Preços ao Consumidor, o INPC, conforme determina a previdência. O parâmetro é calculado pelo Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE).