Leite condensado é para ‘enfiar no rabo da imprensa’, zomba Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro atacou a imprensa ao falar sobre os gastos do governo federal com alimentos. Durante um evento fechado com cantores sertanejos, nesta quarta-feira (27), ele disse que os R$ 15 milhões em latas de leite condensado são para “enfiar no rabo da imprensa”.

Leite condensado é para 'enfiar no rabo da imprensa', zomba Bolsonaro
Leite condensado é para ‘enfiar no rabo da imprensa’, zomba Bolsonaro. (Imagem: Divulgação Agência Brasília)

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci e os ministros Fabio Faria, Ernesto Araújo, Tarcísio Freitas, Mario Frias acompanhavam o presidente. O filho Jair Renan e artistas como Sorocaba, Amado Batista e Nayara Azevedo também estavam presentes.

Leia mais: Auxílio emergencial: Bolsonaro lamenta e diz que ‘não é aposentadoria’

Gastos cresceram 20% com Bolsonaro

Os gastos alimentícios do governo federal totalizaram mais de R$ 1,8 bilhão em 2020, segundo o Portal de Compras do Ministério da Economia. O valor é 20% maior do que em 2019. Os gastos com leite condensado, por exemplo, foram de R$ 15 milhões.

Bolsonaro disse que os produtos não são destinados à presidência e sim ao Exército, para “alimentar 370 mil homens”. Também citou programas de alimentação via Ministério da Cidadania e Ministério da Educação. Pra ele, as acusações “não levam a lugar nenhum”.

Para completar, xingou a imprensa e disse que os gastos são “para enfiar no rabo”. Enquanto discursava, ele foi aplaudido e ovacionado pelos ministros presentes. Sobre a compra de chicletes, que totalizou R$ 2,2 milhões, o Bolsonaro justificou que não são “mordomia”, são destinados ao Exército.

Leia mais: Governo Bolsonaro gastou R$ 15 mi com leite condensado em um ano; veja outros gastos

O presidente ainda disse que vai mostrar na live desta quinta-feira (28) que a ex-presidente Dilma Rousseff comprou mais leite condensado do que ele. Depois da repercussão negativa dos gastos, o Portal da Transparência ficou fora do ar por algumas horas.

Em nota, o Ministério da Economia afirmou que a maior parte das despesas alimentares é do Ministério da Defesa, para as tropas das forças armadas.

A pasta também justificou que os valores estão dentro do orçamento da Administração Pública Federal.

Parlamentares da oposição já formalizaram uma representação no Tribunal de Contas da União (TCU) pedindo a abertura de investigação sobre os valores divulgados pelo portal, referentes a 2020.

Mônica Chagas Ferreira é mestranda em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e formada em Jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Como pesquisadora, estuda Análise do Discurso na perspectiva foucaultiana, contemplando relações de saber, poder e política presentes na mídia. Enquanto jornalista, já atuou em rádios e veículos impressos. Atualmente trabalha como assessora de comunicação e redatora do Jornal O Norte.