Macapá libera jovens de 12 a 17 anos com comorbidades para a 1ª dose da vacina

Macapá vai iniciar a aplicação da primeira dose da vacina em jovens de 12 a 17 anos com comorbidades. O site para pré-cadastro já está liberado, no entanto, vai funcionar apenas até amanhã, 6!

Macapá libera jovens de 12 a 17 anos com comorbidades para a 1ª dose da vacina
Macapá libera jovens de 12 a 17 anos com comorbidades para a 1ª dose da vacina (Imagem/Reprodução: Prefeitura de Macapá/Facebook)

Mais uma faixa etária vai começar a receber a vacina em Macapá nos próximos dias, agora, é a vez dos jovens de 12 a 17 anos com comorbidades.

Semanas atrás a Secretaria Municipal de Saúde havia informado que planeja a imunização desse grupo a partir do final de setembro.

No entanto, para avançar assim é necessário vacinar primeiro toda a população acima de 18 anos, 346.590 pessoas ao todo.

Cadastro para primeira dose em adolescentes de Macapá

Esse público, de 12 a 17 anos e com comorbidade terá que fazer um cadastro virtual até amanhã, 6.

Para isso basta preencher o Formulário.

O cadastramento feito agora vai servir de banco de dados para a elaboração do planejamento da vacinação desse grupo, explica Nayma Picanço, subsecretária de Vigilância em Saúde.

“Estamos nos preparando para uma nova etapa de vacinação contra a Covid-19, uma etapa que requer estratégia e planejamento. Por esta razão, vamos abrir um pré-cadastro, identificar quantas pessoas serão atendidas e organizar as ações de acordo com a disponibilidade de doses da vacina”, afirmou ela.

Leia mais: Macapá libera bares e restaurantes, e shows apenas para vacinados

Quais adolescentes podem se cadastrar para receber a vacina em Rio Branco?

Veja abaixo a lista de comorbidades contempladas no Plano Nacional de Imunização:

  • AutoImunes;
  • Diabetes mellitus insulino dependentes;
  • Doenças Sistêmicas Raras;
  • Doentes Hematológicos (Anemia falciforme, pacientes em esquema de transfusão, uso de corticoide, trombofilias, pacientes esplenectomizados, anemia aplástica, anemia hemolítica autoimune, esferocitose, talassemia, doença de Gaucher, trombocitopenia imune primária em corticoterapia);
  • Doentes renais crônicos em hemodiálise;
  • Hipertensão Arterial Sistêmica Grave;
  • Oncológicos em quimioterapia, radioterapia e clínicos;
  • Doenças respiratórias crônicas;
  • Cardiopatias severas clínicas (Revascularizados, em uso de marcapasso);
  • Pacientes submetidos a cirurgias cardíaca
  • Doenças neurológicas/genéticas (Paralisia cerebral, Esclerose múltipla, AVE);
  • Pessoas Autistas;
  • Indivíduos com obesidade mórbida com IMC ≥ 40km/m²;
  • Pessoas vivendo com HIV;
  • Síndrome de Down;
  • Transplantados de órgãos sólidos (coração, rim, fígado, pulmão);
  • Transtornos do neurodesenvolvimento.

Continue acompanhando O Norte e fique bem informado.

Jamille Pereira Novaes é graduada em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), pós-graduada em Gestão da Educação pelo Centro Universitário Maurício de Nassau (UNINASSAU). Como professora de Língua Portuguesa, já atuou no ensino fundamental I e II. Atualmente, trabalha como professora de Língua Portuguesa no ensino técnico e redatora do Jornal O Norte.