Melhore suas finanças com ESSAS atitudes em 2021

A crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus prejudicou as finanças pessoais durante este ano. Por isso, em 2021 muitas pessoas pretendem colocar as coisas em ordem e atingir os objetivos financeiros, saindo do vermelho. Algumas dicas são essenciais para conseguir sucesso na empreitada.

Melhore suas finanças com ESSAS atitudes em 2021
Melhore suas finanças com ESSAS atitudes em 2021. (Divulgação Mato Grosso Econômico)

A BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC, fez uma consultoria sobre as melhores formas de aperfeiçoar a gestão de recursos. As respostas de especialistas no assunto foram compiladas em quatro e divulgadas pelo G1.

Como gerir as finanças em 2021

A primeira dica proposta por eles é automatizar as poupanças, pois o planejamento funciona melhor quando os pagamentos e as transferências são definidos automaticamente. Assim, é necessário definir um valor mensal a ser economizado e já retirá-lo da conta assim que o pagamento é depositado.

David Day, especialista em gestão financeira da consultoria Gold Metal Waters, com sede no Colorado, nos Estados Unidos, explica que que a chave para melhorar as finanças pessoais é gastar menos e economizar mais. Se o dinheiro não estiver disponível na conta, é mais difícil gastá-lo.

Leia mais: Receita Federal oferece até 50% de DESCONTO em renegociação de dívidas

A segunda dica importante é gastar menos do que ganha. Para isso, é fundamental controlar as despesas escrevendo todos os gastos diariamente. Segundo especialistas, o simples ato de anotar os gastos leva as pessoas a gastarem menos, pois causam um efeito psicológico na gestão do dinheiro.

A terceira dica é utilizar o métodos da ‘avalanche’ e não da ‘bola de neve’. O primeiro consiste em pagar primeiro a dívida com a taxa de juros mais alta e evitar cobranças que acabam consumindo o dinheiro.

O método da bola de neve é o contrário: depois de garantir o pagamento mínimo de todas as dívidas, é necessário dedicar os esforços financeiros para pagar primeiro a menor dívida e depois as outras. O método não é o mais indicado.

Por último, a dica é investir o dinheiro parado, em uma conta poupança que forneça um retorno de pelo menos 1,5 % ou 2% de juros ou no mercado de ações. A ideia é ter uma reserva para gastos extras ou necessidades urgentes.

Mônica Chagas Ferreira é mestranda em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e formada em Jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Como pesquisadora, estuda Análise do Discurso na perspectiva foucaultiana, contemplando relações de saber, poder e política presentes na mídia. Enquanto jornalista, já atuou em rádios e veículos impressos. Atualmente trabalha como assessora de comunicação e redatora do Jornal O Norte.