Presidente da Fecomércio- SE contabiliza mais de 900 lojas fechadas e dispara: ‘É preocupante’

Devido à crise gerada pela pandemia do coronavirus, o comércio varejista de Sergipe teve queda no número de lojas em funcionamento. De acordo com estudo feito CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) analisado pela assessoria executiva da Fecomércio-SE (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), o estado teve uma baixa de 950 pontos comerciais.

Presidente da Fecomércio-SE contabiliza mais de 900 lojas fechadas e dispara: 'É preocupante'
Presidente da Fecomércio-SE contabiliza mais de 900 lojas fechadas e dispara: ‘É preocupante’ (Imagem: Reprodução Google)

Os decretos estaduais e municipais que impediam a abertura das lojas são apontados como a causa da crise no comércio.

As medidas foram adotadas na fase crítica da pandemia para segurar a saúde dos cidadãos. Recomendando o isolamento social e, por consequência, reduzindo a movimentação das compras.

Centenas de lojas foram fechadas pela ausência das vendas e redução no consumo. De acordo com o estudo, os segmentos que mais sentiram o impacto foram as lojas de roupas, tecidos, calçados e utilidades domésticas.
Segundo a Fecomércio, os estabelecimentos comerciais não tinham estrutura para realizar as vendas online, prejudicando a arrecadação e manutenção das lojas.

Leia mais: Começa nesta quinta-feira (03) a ‘Semana Brasil’; campanha que promete movimentar a economia do país

A estimativa apontada pela federação é de que mais de 180 lojas foram fechadas no período somente nos shoppings.
Laércio Oliveira, presidente da Fecomércio, lamenta a quantidade de lojas fechadas e demonstra preocupação com o número levantado por lembrar dos trabalhadores com carteira assinada. Ele ainda alerta que a crise pode elevar o número de lojas fechadas, aumentando o índice de desempregados.

“O fechamento de 950 lojas no estado é preocupante, pois isso também provoca danos para todo o contexto econômico sergipano. (…) Juntamente com essas lojas, foram perdidos mais de 3.500 postos de trabalho no comércio e mais de 4.600 no setor de serviços. São pessoas que deixam o mercado de consumo”, lamenta.

Fecomércio: Estímulo para retomada

Mesmo que o estado ainda esteja sob alerta de cuidados sanitários pela Covid-19, Laércio incentiva a retomada dos consumidores em lojas físicas, dizendo serem necessárias para o crescimento da economia, mas propõe saídas para as vendas online.

“Temos que buscar a recuperação das vendas no estado, estimulando o consumidor a voltar para as lojas, atendendo os critérios de biossegurança para evitar a transmissão da doença e estimular mais a compra nas lojas locais pelos canais digitais. Temos vários mecanismos, a exemplo das redes sociais e o shopping virtual, que podem ajudar as lojas a recuperar seu volume de vendas”.

Facebook Comments

Jornalista graduada pela FAPCOM (Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação). Foi repórter do site MigraMundo e Startupi, atuou na comunicação de ONG e em assessoria de imprensa. Atualmente trabalha como jornalista freelancer e redatora do Jornal O Norte.