Sindicato cobra explicações à Secad sobre irregularidades no Plansaúde

Secad ainda não respondeu questionamentos

Servidores público do Estado do Tocantins que utilizam o
plano de saúde do governo, estão novamente tendo problemas para conseguir marcar
consultas, realizar exames e procedimentos médicos. Segundo o Sindicato dos
Servidores Públicos do Estado (Sisepe), observa-se a falta de atendimento
médico em todo o Estado.

Ainda assim, a parcela referente ao plano continua sendo
descontada mensalmente dos servidores que pagam pelo Plansaúde. Por esse
motivo, o Sisepe oficiou o secretário estadual da Administração, Bruno Barreto
Cesarino, responsável pelo Plansaúde, para que regularize os atendimentos do
plano de saúde aos servidores públicos. “Em meio a pandemia da Covid-19, os usuários
do Plansaúde, que são servidores públicos e seus familiares, cerca de 90 mil
vidas, estão sem atendimento médico regular, dificuldades em fazer exames. Ou
seja, em geral encontra-se mais difícil ainda para os usuários deste plano de
saúde”, frisa o presidente do SISEPE-TO, Cleiton Pinheiro.

O documento foi protocolizado na última sexta-feira, 3, mas
o prazo para resposta é de 48 horas. A Secretaria da Administração (Secad) ainda
não prestou os esclarecimentos.

A gestão e operacionalização do Plansaúde é de inteira
responsabilidade do Governo do Estado, que deve garantir aos assistidos a
assistência à saúde, por meio dos serviços de medicina preventiva, curativa e
suplementar, e do tratamento odontológico. Após o encerramento do vínculo entra
Unimed Centro-Oeste e Tocantins e o governo, em setembro de 2018, a operacionalização
passou a ser de inteira responsabilidade do Executivo, tendo o auxílio, na
parte de logística, da empresa Infoway Tecnologia e Gestão em Saúde.

Contudo, exames, consultas e procedimentos, até mesmo
cirurgias e tratamentos de emergência são constantemente negados aos servidores
e seus dependentes.

O Conexão Tocantins questionou a Secad a respeito da
irregularidade no atendimento e também sobre possíveis débitos com prestadores de
serviço e o cumprimento do acordo de parcelamento da dívida feito ainda no ano
passado. Aguardamos retorno. (Com informações da assessoria de comunicação do Sisepe).

Fonte: Conexão Tocantins