Políticos defendem impeachment e população organiza carreata contra Bolsonaro

Autores de pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro já protocolados na Câmara estão aumentando a pressão pela abertura do processo. Ao longo de seu mandato como presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ) engavetou mais de 60 pedidos. A população organiza passeatas a favor da saída de Bolsonaro.

Políticos defendem impeachment e população organiza carreata contra Bolsonaro
Políticos defendem impeachment e população organiza carreata contra Bolsonaro. (Imagem: Marcello Casal Jr/ Ag. Brasil)

Outros políticos de oposição também estão pressionando o deputado, principalmente depois do colapso da saúde em Manaus, no Amazonas, e no atraso para o início da vacinação. Na última semana, foram realizados panelaços contra o presidente em diversas regiões do país.

No sábado (23), deve haver uma carreata em defesa do impedimento, no Recife. O evento é organizado pelo PT.

Alguns parlamentares pernambucanos se posicionaram sobre o impeachment, principalmente nas redes sociais, todos de partidos de oposição, como PSB, PT e PDT.

Leia mais: Em meio a pressão, Bolsonaro fala sobre impeachment e candidatura em 2022

A deputada federal Marília Arraes (PT) defendeu o a abertura do processo contra o presidente nas redes sociais e afirmou que não há transparência por parte do governo federal.

O deputado federal Wolney Queiroz (PDT), repercutiu nas redes a última fala de Bolsonaro sobre a ditadura. “Ou agimos agora ou o Brasil além de mergulhar no caos, afundará nas sombras”, escreveu.

No PSB, não há consenso. O deputado federal Danilo Cabral (PSB), já cobrou a abertura do processo por meio da hashtag ‘impeachment urgente’.

O colega de partido Felipe Carreras discorda de uma discussão sobre o assunto neste momento e diz que o foco deve estar na vacinação contra a covid-19. A opinião se aproxima das justificativas de Maia sobre o engavetamento dos pedidos.

Leia mais: Em carta, governadores pressionam Bolsonaro para negociação das vacinas da China

O deputado federal Renildo Calheiros (PCdoB) também se posicionou a favor do impeachment e disse que Bolsonaro ”desrespeita” a Constituição Nacional.

A decisão sobre o processo ficará para o próximo presidente da Câmara, que será eleito no início de fevereiro.

Caso o impedimento seja colocado em votação, seriam necessários ao menos dois terços de votos favoráveis, ou seja, 342 deputados.

Se aprovado na Câmara, o processo segue para o Senado. A escolha do novo presidente da Congresso será um fator decisivo para o seguimento.

Mônica Chagas Ferreira é mestranda em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e formada em Jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Como pesquisadora, estuda Análise do Discurso na perspectiva foucaultiana, contemplando relações de saber, poder e política presentes na mídia. Enquanto jornalista, já atuou em rádios e veículos impressos. Atualmente trabalha como assessora de comunicação e redatora do Jornal O Norte.