Prefeitura de Natal ADIA retorno das aulas remotas

A Prefeitura de Natal informou que vai adiar o retorno às aulas nas escolas da rede municipal de ensino. Inicialmente, a volta estava marcada para 2 de fevereiro no sistema híbrido (presencial e on-line), mas foi adiada para o dia 18 apenas no modelo remoto. As aulas presenciais devem ficar para março.

Prefeitura de Natal ADIA retorno das aulas remotas
Prefeitura de Natal ADIA retorno das aulas remotas. (Imagem: Reprodução / Google)

O comunicado é da secretária de Educação (SME), Cristina Diniz. Segundo ela, as ações vão depender do cenário da pandemia da Covid-19 na cidade. Por enquanto, apenas creches não retornarão remotamente. A decisão considera a alta circulação de pacientes e turistas na capital.

Entenda a volta às aulas em Natal

A secretária explicou que a maior preocupação é com a nova cepa da Covid-19, que já circula em estados próximos. Além disso, Natal recebeu 41 pacientes com a doença vindos do Amazonas, nos últimos dias. O estado passa por uma séria crise sanitária e superlotação de hospitais.

Os professores retornam para as escolas no dia 3 de fevereiro, para programar e planejar o ano letivo de 2021.

O retorno às atividades presenciais com alunos ainda não tem data definida e vai depender do cenário da pandemia. Segundo o planejamento da secretaria, isto deve ocorrer em março.

A ideia é começar voltando presencialmente com os nonos anos, anos finais do ensino fundamental 2, anos iniciais, e depois a educação infantil, a pré-escola e as creches. A medida adotada por Natal também ocorre em outros municípios, como Mossoró, que adiou o reinício das aulas para o mês de março.

Leia mais: Rio de Janeiro define retomada as aulas remotas e presenciais na rede municipal

A Secretaria de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer (SEEC) está mantando o cronograma de volta das aulas presenciais, em formato híbrido, a partir de segunda-feira (1º). A estimativa é que 60% das escolas estaduais tenham condições de retornar.

Alguns municípios sofrem com falta de estrutura e equipamentos e não têm condições de retomar as aulas.

Segundo a secretaria, as unidades de ensino que não tiverem condições necessárias para a retomada segura poderão continuar com o processo de adaptações.

Mônica Chagas Ferreira é mestranda em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e formada em Jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Como pesquisadora, estuda Análise do Discurso na perspectiva foucaultiana, contemplando relações de saber, poder e política presentes na mídia. Enquanto jornalista, já atuou em rádios e veículos impressos. Atualmente trabalha como assessora de comunicação e redatora do Jornal O Norte.